Destaques

Fernand Leger

Fernand_Leger

Mundialmente reconhecido como um dos mestres do século XX, Fernand Léger foi um dos mais destacados cubistas e o primeiro a experimentar a abstração.

De origem modesta, de família de camponeses normandos, desde cedo interessou-se pelo desenho, o que o leva a Caen, capital da Alta Normandia, França, aos dezesseis anos, onde trabalhou como aprendiz de arquiteto. Em 1900, mudou-se para Paris,onde em um escritório de arquitetura e retoques fotográficos trabalhou como desenhista. Reprovado no exame de ingresso da Escola de Belas-Artes de Paris, estudou na Escola de Artes Decorativas e na Academia Julien; frequentando ainda vários ateliês, entrando em contato com a arte de Cézanne.

Aproxima-se dos cubistas em 1909, conhecendo os poetas Apollinaire, Max Jacob, Blaise Cendrars, os pintores Albert Gleizes, Robert Delaunay e, mais tarde, Georges Braque e Pablo Picasso. Em 1911, expôs no Salão dos Independentes e, no ano seguinte, participa da Section D'Or, e publica seu ensaio 'Les origines de la peinture contemporaine', na revista Der Sturm. Em contato com o Cubismo, Léger não aceitou sua representação exclusivamente conceitual, suas abstrações curvilíneas e tubulares contrastavam-se com as formas retilíneas preferidas por Picasso e Braque, e preconizavam uma aproximação às imagens orgânicas surrealistas.

Entre 1914-16, foi o primeiro a incorporar a atmosfera da sociedade urbana e industrial, a partir das máquinas da I Guerra, em que foi combatente.

Afasta-se da abstração e aproxima-se dos objetos e personagens do cotidiano da guerra e da civilização moderna. Recebeu Tarsilla do Amaral em seu ateliê entre 1923-1924, tendo sido marcante sua influência na formação da artista e do próprio Modernismo Brasileiro, na questão do progresso industrial. Sentindo necessidade de estabilidade, calma e pureza, pinta naturezas-mortas e murais abstratos (1924-26), sugerindo o espaço apenas pelo jogo da cor. Nos anos 30, aproximou-se dos círculos De Stijl. Fez também desenhos para vitrais, mosaicos e cerâmicas, cenários para o teatro e balé, e projetos de decoração, além de trabalhos para o cinema (entre eles, a direção do filme 'Le ballet mécanique', 1924).

Em decorrência da Segunda Guerra, refugia-se nos Estados Unidos, onde continua a dissociar a cor do desenho, procedimento que não abandonaria mais. Voltando à França em 1945, leva uma série de composições inspiradas na paisagem industrial americana. A partir de seu retorno, passa a desenvolver obras em séries, retratos, temas dos divertimentos populares: os ciclistas, reuniões no campo, palhaços e acrobatas, e ainda a sérei dos construtores, onde retrata a tensão da sociedade moderna, já na década de 1950.

Conteúdos Relacionados:

Pablo Picasso | Di Cavalcanti | Botero | Iole de Freitas | Portinari | Victor Brecheret | Rugendas | Almeida Júnior | Benedito Calixto de Jesus | Ismael Néri Lasar Segal | José Pancetti | Cândido Portinari | Anita Malfatti | Heitor dos Prazeres | Mário Zanini |Tarsila do Amaral Flávio de Carvalho | Aldo Bonadei  | Heitor dos Prazeres | Flávio de CarvalhoDjanira da Mota e Silva | Alberto da Veiga Guignard | Aldo Bonadei

Veja mais 


AddThis Social Bookmark Button