Destaques

Dos prováveis candidatos à presidência da república em 2018. Qual é o de sua preferência?

Regina Silveira

regina_silveira

Nascida em 1939, no Rio Grande do Sul, onde se formou, Regina Silveira iniciara-se nos anos de 1960 como pintora, desenhista e gravadora, demonstrando empatia com a figuratividade expressionista, uma tendência de fortes raízes no modernismo do país. Essa propensão não demoraria a alterar-se sob influências abstradas informais e por uma mudança de ordem mais radical em fins do decênio, quando foi desperta na Europa para as possibilidades de espaços elaborados por formas geométricas. Conseqüências diretas da absorção racionalista fizeram-se logo perceber em relevos e objetos que construiu com materiais industriais.

Foi ao transferir-se para Porto Rico, em 1969, que se produziu a fratura entre a artista artesanal e a que passava a interessar-se pelos meios modernos de reprodutibilidade. Houve clima na ilha do Caribe para que se envolvesse com entusiasmo no fenômeno transgressor da desmaterialização. A iconografia que inaugurou essa sua nova dimensão foram as grades geométricas em perspectiva, chamadas "Laberintos".

Ao regressar ao Brasil, em 1973, fixando-se em São Paulo, prosseguiu com as gravuras e multimídias fazendo intervir o desenho geométrico perspectivado sobre imagens fotográficas estereotipadas, como as vistas de cidades dos cartões postais. Dai emergiram "Destruturas Urbanas", "Executivas" e "Brasil Today", formando livros, álbuns e outras publicações que refletem sobre o poder, a burocracia e a questão ambiental. A arte e seu sistema não foram menos visados pelo interesse irreverente da artista. E algumas performances juntaram-se a essa atividade que assinala a sua incisiva participação no movimento cultural alternativo do país nos anos de 1970.

O próximo envolvimento de Regina Silveira foi aquele em que, especulando pela primeira vez sobre as distorções da perspectiva, produziu "Anamorfas" (1979-81), um complexo de gravuras e desenhos que lhe abriram novos horizontes. Obras anteriores em que explicitava com maior rigor as linhas de fuga da perspectiva e os desenhos descontraídos de uma série de representações cheias de verve crítica a que chamou "Jogos de Arte" contribuíram para essa definição. Fotografando de determinado ângulo e do alto objetos do cotidiano como uma tesoura ou um óculo, e sobrepondo-lhes reticulados perspectivados, pôde a autora recriá-los através de compressões, dilatações e dobras, tornando-os uma realidade enigmática. Mas essa morfologia de distorções, cujos procedimentos se enriqueceram mais adiante nos "Simulacros", fora também fruto de interpretações de sistemas artificiais de construção espacial, notadamente de Leonardo, o que apreendeu em autores contemporâneos, como Panofsky e do avizinhamento às especulações de Duchamp. Ela impressionou-se particularmente com as deformações da imagem fotográfica, incluindo as realizadas pelo computador, tal como vemos estudadas e demonstradas por Pirenne.

Os "Simulacros" (1982-4), que sucederam "Anamorfas", completam os pontos chave de referência de sua linguagem. Trata-se de uma constelação de obras fotográficas, instalações e objetos sempre monocromáticos (preto sobre branco), reverberantes entre si, que ela considera como "uma reflexão sobre a representação das sombras projetadas, concretizada como visualidade paródica dos códigos projetivos da perspectiva linear, da teoria das sombras, da fotografia e do desenho topográfico".

Rugendas | Almeida Júnior | Benedito Calixto de Jesus | Ismael Néri | Lasar Segal | José Pancetti| Cândido Portinari | Anita Malfatti | Heitor dos Prazeres | Mário Zanini |Tarsila do Amaral | Flávio de Carvalho | Aldo Bonadei


Fonte:

taisipp.blogspot.com/

AddThis Social Bookmark Button