Destaques

Solar da Marquesa de Santos

A casa serviu de residência a D. Maria Domitília de Castro do Canto e Mello, que comprou o local da filha do Brigadeiro Joaquim José Pinto de Moraes Leme, em 1843, alguns anos após ter rompido seu relacionamento com D. Pedro I. Depois disso, o Solar se transformou numa das mais aristocráticas residências e passou a ser conhecido como Palacete do Carmo.

Antes de pertencer a ela, era formado por dois antigos sobrados. O mais velho deles, considerado a parte nobre do que hoje constitui o prédio, foi construído em pau-a-pique e taipa de pilão. Devido a essas características, é considerado o último exemplar de arquitetura residencial urbana do século 18.

Em 1975, serviu de sede à Secretaria Municipal de Cultura, que lá permaneceu até 1984, quando foi interditado por motivos de segurança. Em 1991, passou por um processo de restauração e hoje assemelha-se a uma construção neoclásica da segunda metade do século 19.

Entre as atividades realizadas no Solar estão uma exposição permanente sobre a vida da Marquesa de Santos, mostras temporárias, consulta a um arquivo de negativos de São Paulo em suas várias épocas, projeto da 3ª idade (com histórias da cidade e passeios culturais), serviço educativo para escolas públicas e atividades voltadas à preservação do patrimônio histórico e cultural.

Funcionamento:

De terça a domingo, das 9h às 17h. 
Aberto à visitação pública. Entrada franca. 
Rua Roberto Simonsen, 136, Centro - São Paulo - SP 
Tel.: 3241-4238

Fonte: SampaArt

Museu do Ipiranga | MASP | MAM | MUBE | MAC - USP | PinacotecaLargo São Francisco | Largo São Bento | Praça da República | A História da Prefeitura de São Paulo | A Fundação da Cidade de São Paulo | Cronologia dos Acontecimentos | São Paulo Antigamente | Rio tamanduateí Rio Tietê | Rio Pinheiros | Banespinha Barão de Itapetininga | Rua Conselheiro Crispiniano | História - Como se fêz o Viaduto do Chá | História de uma Catedral |Prédio da Light

Veja mais

AddThis Social Bookmark Button