Destaques

Diana, a caçadora

                                                                              Diana, a caçadora

                                                                                                                                                                                                                                          Uma das doze divindade gregas do Olimpo, a mais popular das deusas do panteão grego, inicialmente ligada à floresta e à caça, depois associou-se também à luz da lua e à magia. Filha de Zeus e Letó e irmã gêmea de Apolo e conhecida pelos romanos como Diana. Sua mãe foi perseguida por Hera, a deusa rainha protetora do casamento e do parto, que não quis receber quando estava preste a dar à luz, pois odiava e perseguia as amantes de Zeus e os filhos de tais relacionamentos. Esperando gêmeos chegou a ilha de Delos e deu a luz no monte Cinto, primeiro ela, que revelou os seus dotes de deusa dos nascimentos auxiliando no parto do seu irmão gêmeo, Apolo. Seu pai, presenteou-a com arco e flechas de prata, além de uma lira do mesmo material e seu irmão Apolo ganhou os mesmos presentes, só que de ouro, obra de Hefesto, o deus do fogo e das forjas, também seu irmão por parte de pai, e também deu-lhe uma corte de Ninfas, e fê-la rainha dos bosques.

Sendo considerada a mais pura e casta das deusas, era particularmente amada pelas Ninfas e com elas dançava freqüentemente nas florestas como a luz prateada da lua. Representava para as mulheres o que Apolo representava para os homens. Sendo uma infatigável caçadora e, apesar do seu voto de castidade, apaixonou-se perdidamente pelo jovem Órion ou Orionte, filho de Posêidon, também era um grande caçador como ela. Mas seu irmão gêmeo não gostava dele e muito lhe desagradava a afeição da irmã pelo jovem e, enciumado, decidiu impedir sua irmã de consorciá-lo. Ardilosamente, uma vez estavam os dois em uma praia quando seu irmão percebeu Órion mergulhado na água e somente com a cabeça de fora. Apolo mostrou-lhe aquele objeto escuro para a sua irmã, desafiou-a em acertá-lo. Vaidosa e sem saber que se tratava da cabeça de Órion, ela prontamente retesou o arco e acertou-a com sua flecha. As ondas trouxeram o corpo de Órion até a praia e ela, em sua dor, não querendo que o amado desaparecesse para sempre, colocou-o entre as estrelas do céu, onde ele aparece como um gigante com cinto e espada, vestindo pele de leão e segurando uma clava, acompanhado pelo seu cão, Sírius. Era muito severa também com os mortais que ousavam desafiá-la.

Certa vez, como de costume banhava-se nas águas das fontes cristalinas; quando foi surpreendida pelo caçador Acteon que ali se dirigiu para saciar a sede. A vê-lo transformou-o em um veado e tornou-o vítima da sua própria matilha que o estraçalhou. Depois que Agamêmnon matou um cervo em um bosque consagrado a deusa, exigiu do grego o sacrifício de sua filha, Ifigênia, para que os ventos voltassem a soprar e permitissem a partida da frota grega para Tróia. Posteriormente, teve pena da jovem e não deixou que ela fosse sacrificada e levou-a consigo até seu santuário e ali Ifigênia tornou-se sacerdotisa. Foi freqüentemente confundida com Selene ou Hécate, também deusas lunares e é conhecida como Cíntia, devido ao seu local de nascimento, e foi ao longo dos tempos uma fonte inesgotável da inspiração dos artistas.

Fonte: www.dec.ufcg.edu.br/biografias/

Conteúdos relacionados:

 Rugendas | Almeida Júnior | Benedito Calixto de Jesus | Ismael Néri Lasar Segal | José Pancetti | Cândido Portinari | Anita Malfatti | Heitor dos Prazeres | Mário Zanini |Tarsila do Amaral Flávio de Carvalho | Aldo Bonadei Veja mais 


AddThis Social Bookmark Button